Universidade de Oxford atualizou seus dicionários as definições de homem e mulher

A definição para a palavra homem também foi atualizada para incluir a mesma terminologia de gênero neutro

Por Folha Gospel 18/11/2020 - 11:51 hs
Foto: Freepik

A casa editorial da Universidade de Oxford atualizou em seus dicionários as definições de das palavra “mulher” e “homem” após uma extensa revisão iniciada por um grupo defensor da “igualdade de gênero”.

Entre as atualizações das definições nas novas tiragens dos ‘Oxford Dictionaries’ está o reconhecimento de que uma mulher pode ser “a esposa, namorada ou amante de uma pessoa”, ao invés de isso estar relacionado a um homem.

A definição para a palavra “homem” também foi atualizada para incluir a mesma terminologia de “gênero neutro”. Diversos outros termos relacionados à atração e atividade sexual humana também foram revisados.

Uma porta-voz da editora disse que as mudanças foram feitas depois que seus compiladores de dicionário realizaram uma “revisão extensa” das definições “para ‘mulher’ e muitos outros termos relacionados”.

A revisão foi desencadeada após uma petição online no ano passado, que criticava a inclusão de termos como “bitch” (“vadia”) e “bint” (“criada” ou “serva”), “wench” (“meretriz”) e outras observações ofensivas, entre sua lista de sinônimos para mulheres.

Os ativistas argumentaram que os exemplos fornecidos pelos dicionários para “homem” também eram muito mais exaustivos do que para “mulher” e apresentavam as mulheres como “subordinadas ou“ irritantes ”.

“A Sra. September personificará a profissional, mas sexy, mulher de carreira”, diz um exemplo. Outro falou de “pescadores homens que levam o que pescam para casa para a pequena mulher estripar”.

Petição online

A petição exigia que todas as frases e definições que “discriminam e promovem” ou deem conotação da “propriedade masculina” sobre as mulheres sejam eliminadas. Também exigiu que a definição de “mulher” fosse ampliada e incluísse exemplos representativos de minorias, como mulheres trans e lésbicas.

Os líderes do partido Women’s Aid e Women’s Equality (“Ajuda das Mulheres e Igualdade das Mulheres”) deram todo o seu apoio à campanha deste ano no Dia Internacional da Mulher, ao assinar uma carta aberta, fazendo um apelo à ‘Oxford University Press’ para mudar as definições “sexistas” em seu dicionário.

“Vadia não é sinônimo de mulher. É desumanizador chamar uma mulher de vadia. É apenas um exemplo triste, embora extremamente prejudicial, do sexismo cotidiano. E isso deve ser explicado claramente no verbete do dicionário usado para nos descrever”, dizia o documento.

Maria Beatrice Giovanardi, que deu início à petição, que já atingiu 30.000 assinaturas, ficou “muito feliz” com as mudanças e sentiu que a campanha atingiu 90% dos seus objetivos.

Ela disse que a inclusão de terminologia de gênero neutro nos exemplos de relacionamento dos dicionários marcou “um grande passo à frente para as pessoas LGBTQI”.

“É respeitar seu amor e união”, acrescentou ela.

Mas ela permaneceu “decepcionada” com o fato de a palavra vadia – definida como “mulher rancorosa, desagradável ou antipática” – continuar a ser listada como sinônimo, embora agora rotulada como “ofensiva”.

Ela contrastou isso com a classificação da palavra idiota – definida “como um homem estúpido, irritante ou ridículo” – que é considerada “gíria vulgar” e não incluída na lista de sinônimos para homens.

A porta-voz da casa editorial da Universidade de Oxford disse que seus dicionários “refletem, em vez de ditar, como a linguagem é usada. Isso é motivado unicamente por evidências de como pessoas reais usam o inglês em suas vidas diárias”.

“Esta abordagem editorial independente significa que nossos dicionários fornecem uma representação precisa da linguagem, mesmo quando isso significa registrar sentidos e exemplos de uso de palavras que são ofensivas ou depreciativas, e que não necessariamente usaríamos por nós mesmos”, explicou.

A editora disse que sua revisão se tornou um projeto em andamento para reexaminar seu tratamento da linguagem, com trabalhos recentes realizados em torno de raça e diversidade racial e sobre o uso de “eles” como um pronome para pessoas cuja identidade de gênero não é exclusivamente masculina nem feminina.

Fonte: Guia-me com informações de The Guardian