Deputado Sergio Peres levou termo de compromisso ao governador Eduardo Leite

O parlamentar representou outros cinco deputados, que também defendem que as atividades religiosas são de interesse público

Foto: Divulgação

O deputado estadual Sergio Peres (Republicanos) levou ontem (23/07), às mãos do governador Eduardo Leite, um termo de compromisso e cooperação para o funcionamento das igrejas e templos religiosos de qualquer culto do Rio Grande do Sul, com vistas a garantir as atividades e, ao mesmo tempo, preservar as normas sanitárias determinadas para o período de pandemia da Covid-19. O parlamentar representou outros cinco deputados, que também defendem que as atividades religiosas são de interesse público.

O conteúdo do documento considera a necessidade do emprego de medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, a fim de evitar a disseminação do novo coronavírus. Para tanto, os parlamentares propõem que as igrejas sigam as mesmas orientações aplicadas aos demais serviços essenciais, obedecendo o percentual de 50% da sua capacidade ou, de forma alternativa, em conformidade com a classificação da cor de bandeira estipulada pelo Poder Executivo Estadual.

Confira abaixo o percentual máximo de lotação de templos e igrejas, de acordo com o Termo de Cooperação e Compromisso proposto ao Governo do Estado:

BANDEIRA AMARELA:  lotação máxima de 50%

BANDEIRA LARANJA: lotação máxima de 50%

BANDEIRA VERMELHA: lotação máxima de 25%

BANDEIRA PRETA: lotação máxima de 25%

O documento entregue ao governo por Sergio Peres propõe que os percentuais acima também sirvam de referência para a reabertura de setores anexos aos templos, como cantinas, espaço para crianças, ministérios específicos, ministérios de jovens, estudos bíblicos, entre outros.

Outras determinações previstas pelo documento:

– Assegurar que só seja permitida a entrada e permanência de pessoas usando máscara, com a devida higienização das mãos com álcool em gel 70% ou sanitizantes de mesmo efeito no ingresso ao local.

– Incentivar a realização da medição de temperatura no momento do ingresso ao templo e orientar o não ingresso em caso de febre (temperatura acima de 37,8°C).

– Orientar as pessoas que apresentarem tosse persistente, falta de ar, desconforto respiratório e gripe/resfriado, a não ingressarem na igreja.

– Recomendar aos fiéis pertencentes ao grupo de risco que permaneçam em casa.

– Durante o período em que estiveram abertas as igrejas, os atendimentos individuais deverão ser realizados em horário agendado.

– Deve ser disponibilizado álcool em gel para uso das pessoas, disponibilizando na porta de acesso da igreja e em demais locais de acesso.

– Antes do início da missa, reunião ou culto e após a sua realização, o local deve ser higienizado com limpeza por produto apropriado para desinfecção, devendo a higienização ser feita em todo ambiente, incluindo superfícies e utensílios de uso comum.

– Os estabelecimentos religiosos deverão priorizar o trabalho remoto para os setores administrativos e adotar medidas relacionadas à saúde no trabalho para evitar a transmissão do novo coronavírus.

– Atender aos integrantes dos grupos de risco como idosos, hipertensos, diabéticos e gestantes exclusivamente em domicílio, de forma a evitar a exposição destas pessoas ao risco de transmissão do novo coronavírus.

– Manter todas as áreas ventiladas.

– Intensificar a higienização das mãos, principalmente antes e depois do atendimento de cada fiel.

– Exigir o uso das máscaras para os colaboradores na realização das atividades e afastar os que apresentem sintomas de contaminação, com comunicação Às autoridades de saúde.

– Afixar em locais visíveis das igrejas e templos as orientações do termo de compromisso.

Eduardo Leite comprometeu-se em fazer estudo técnico da proposta com o núcleo do Poder Executivo responsável por averiguar a viabilidade das medidas elencadas no termo.  Além de Sergio Peres, assinaram o documento os deputados Eric Lins(DEM), Ruy Irigaray(PSL), Elton Weber(PSB), Airton Lima(PL) e Elizandro Sabino (PTB).