Jovens cristãos tendem a praticar o discernimento no uso de tecnologia

Eles têm uma visão mais positiva e maior saúde mental e emocional, diz presidente do Barna Group

Por Redação (*) 18/02/2021 - 00:24 hs
Foto: Pixabay

A maioria da Geração Z acredita que sua geração passa muito tempo nas telas - mas há uma forte correlação entre adolescentes e jovens adultos comprometidos com as Escrituras e o discernimento prático quando se trata de mídia social, sugere um novo estudo.

Um novo relatório do Barna Group e do Impact 360 Institute, Gen Z: Volume 2 , descobriu que três em cada cinco adolescentes e jovens adultos de 13 a 21 anos (60%) afirmam que sua geração passa muito tempo nas telas. 

A pesquisa coletou dados de 1.503 adolescentes e jovens adultos com idades entre 13 e 21 anos entre 15 de junho e 17 de julho de 2020. A amostra tem uma margem de erro de ± 2,53 pontos percentuais. 

Quando questionados sobre como se sentem a respeito do uso da tela pessoal, mais da metade dos entrevistados (53%) admitem que, muitas vezes, se sentem mal com a quantidade de tempo que passam em dispositivos selecionados, como telefones, computadores ou tablets.

No entanto, um quarto (25%) afirma que eles e seus colegas passam "a quantidade certa de tempo nas telas". Cerca de 13% afirmam que a quantidade de tempo que sua geração passa nas telas não importa.

Procrastinação

De acordo com os dados, mais da metade dos adolescentes e jovens adultos (53%) dizem que “adiam” ou “procrastinam o dever de casa ou outras coisas” por causa da tecnologia.

Cerca de metade (50%) culpou a tecnologia por se sentir mais distraída, enquanto 36% culpou a tecnologia por parecer menos produtiva. Cinquenta e quatro por cento disseram que, por causa da tecnologia, eles acham que estão "perdendo muito tempo". Cerca de três em cada dez culparam a tecnologia por "encurtar sua capacidade de atenção".

Revelando os dados no mês passado, o presidente do Barna Group, David Kinnaman, disse, no entanto, que aqueles comprometidos com as Escrituras, com a igreja local, acreditam na morte e ressurreição de Jesus, e desejam que sua fé seja ativa e viva no mundo, tendem a praticar o discernimento quando se trata de uso de mídia social e tecnologia.

“Eles têm uma visão mais positiva e maior saúde mental e emocional”, acrescentou Kinnaman. “Ser um cristão resiliente não significa apenas que você tem uma fé mais forte, mas na verdade você é mais forte em algumas das maneiras que mais importam na vida real.”

Discernimento e atitudes certas

O presidente do grupo de pesquisa evangélica desafiou pais e pastores de jovens a ajudar adolescentes e jovens a praticar o “discernimento” nas redes sociais.

Ainda sobre o assunto, recentemente, Paulo Cezar Mendes, MBA em Comunicação e Marketing em Mídias Sociais, falou a respeito do assunto, e destacou 10 atitudes que um adolescente de Deus não tem em sua mídia social.

Conheça-as abaixo e coloque-as em prática:

1 – Não sensualiza

É comum encontrar nas mídias sociais jovens que utilizam as plataformas para postar fotos e vídeos, que provoquem a sensualidade. 

2 – Não fica se exibindo

Neste aspecto, o jovem deve tomar cuidado na hora de selecionar o que está postando. Isso porque, o exibicionismo também pode não ser bom à sua vida espiritual.

3 – Não faz desafios da moda

Desafios que, constantemente, estão na moda, são aqueles que colocam em risco a vida e integridade física de quem os pratica.

4 –  Não envia “nudes”

“Nudes” é um termo para fotos em que as pessoas estão nuas. Esse tipo de fotografia, segundo Paulo, não pode fazer parte da vida de um jovem cristão.

5 – Nunca assiste pornografia na internet

Diante de uma sociedade sexualizada, jovens e adolescentes têm tido acesso a conteúdos pornográficos muito cedo. Contudo, Paulo destacou que esse não deve ser o comportamento de um jovem cristão.

 6 - Não compartilha dados pessoais

Dados pessoais são muito valiosos para pessoas mal-intencionadas. Por isso, Paulo orientou que os jovens não passem seus dados a ninguém.

7 – Não se abre com estranhos

É comum que jovens façam amizades virtuais. Contudo, é necessário que haja vigilância, pois a pessoa do outro lado pode não ser um amigo.

8 – Não faz, nem apoia o bullying

O bullying é um problema na vida de muitos jovens, seja virtual ou pessoalmente. Paulo pontuou que “uma pessoa de Deus não tem esse comportamento, ao contrário, Jesus ensinou que devemos amar ao próximo”, orientou.

9 – Não se preocupa com “likes”

Um jovem inteligente não se preocupa com a popularidade do mundo, mas com a popularidade diante de Deus.

10 – Não segue e acompanha pessoas vazias

O jovem sábio escolhe bem as pessoas que segue nas mídias digitais. Isso porque, segundo Paulo, muitas pessoas que atuam como influenciadoras digitais, na verdade, são vazias e não têm nada de bom para agregar na vida de outras pessoas.

(*) Com informações do Christian Post