Um Novo Olhar recebe apoio de laboratório

O projeto é uma iniciativa privada sem fins lucrativos que acolhe as vítimas de violência

Por Redação Unigrejas 16/09/2020 - 15:00 hs

Diariamente, noticiários mostram que a violência contra a mulher no Brasil está longe de ter um fim. Seja ela psicológica, física, sexual, patrimonial ou moral, ela deixa marcas, muitas vezes, irreparáveis.

Quando se trata da agressão física, as lesões deixadas por objetos cortantes ou perfurantes, ferimentos causados por queimaduras ou armas de fogo, acabam ficando, muitas vezes, visíveis, a retirando, na maioria das vezes, da sociedade.

A fim de regatar essa mulher, quebrando o ciclo de violência, o projeto social Um Novo Olhar tem ajudado muitas mulheres e recebido apoio de diversas organizações.

Nesta sexta-feira, a responsável pelo projeto, a médica e cirurgiã especializada em Dermatologia Carla Góes, comemorou o apoio recebido pela Hialurox que fabrica produtos médicos, hospitalares, cosméticos e próteses e atua em todo o território nacional.

Hialurox é fabricante de preenchedor de ácido hialurônico reticulado, usado para a reconstrução facial das vítimas atendidas pela médica ( que até então adquiria com recursos próprios) sendo de alto custo é fundamental para o tratamento. Todos os outros atendimentos continuam sendo de iniciativa privada da médica.

“Hoje separamos um tempo para falar para a nossa equipe sobre a importância do projeto, a seriedade, a competência, alertando sobre a gravidade do problema, mas também ressaltando as pessoas que doam seu tempo para uma causa nobre dessa. Na próxima semana vamos divulgar o projeto com a camiseta, a fim de colaborar mais ainda com o projeto”, comentou o diretor comercial do laboratório, Vitor Simões.

“Isso não tem preço. Um exemplo para o Brasil. Por mais empresas com responsabilidade social”, agradeceu a doutora Carla.


O projeto é uma iniciativa privada sem fins lucrativos que acolhe as vítimas de violência, com uma equipe especializada não só em medicina, como também em direitos humanos, a exemplo de advogados e psicólogos.

“A agressão vai muito além do físico. As marcas escondem medo, vergonha e baixa autoestima. Pensando nisso, contamos com vários parceiros que focam nessa transformação não só física como interna e pessoal. Além de uma equipe de psicólogos capacitados com o tema, também faz parte do procedimento a inserção e direcionamento das vítimas no mercado de trabalho recriando autonomia e independência das mulheres”, explica a médica.

Se você deseja conhecer mais sobre o projeto, visite o  Instagram da @dracarlagoes ou o site www.umnovoolhar.org.