É possível cristãos lutarem contra outros cristãos?

Jovens se dizem cristãos, mas possuem discursos de desunião contra outros cristãos

Por Universal.org 11/09/2020 - 10:18 hs
Foto: Freepik

A autodenominada “bancada evangélica de esquerda”, que pretende chegar às Câmaras Municipais espalhadas pelas cidades do estado de São Paulo, traz consigo incoerências e fatos que revelam uma luta inglória. Entenda.

Em uma série de artigos, temos destrinchado as farsas escondidas na ideologia do grupo. Formado por pré-candidatos a vereadores, a “bancada evangélica de esquerda” diz ter pretensão de lutar contra conservadores e neopentecostais que fazem parte da bancada evangélica atualmente.

Luta inglória

A prova de que a “bancada evangélica de esquerda” não faz o menor sentido é a desunião que já está enraizada no movimento, desde seu início.

Isso porque, esses jovens se dizem cristãos, mas possuem discursos de desunião contra outros cristãos.

“Eu quero fazer política para o evangélico, que se opõe ao conservadorismo moral que é imposto por alguns líderes evangélicos”, disse um dos participantes do movimento, em entrevista ao portal UOL.

Veja que eles já nasceram com a pretensão de lutar contra outros evangélicos. Uma luta inglória, porque, na verdade, eles pretendem mesmo é lutar contra a Palavra de Deus. Todavia, essa atitude é mais uma prova de que o movimento não passa de mais uma tentativa da esquerda de deturpar os ensinamentos bíblicos.

Essa iniciativa, promovida contra quem não fez absolutamente nada contra ninguém, é uma prova de que o movimento não nasce de boa forma. Afinal de contas, como pode, cristãos, que deveriam ser irmãos em Jesus, lutar contra outros cristãos?

Não subsistirá

O próprio Senhor Jesus, quando esteve na terra, afirmou que uma cidade dividida não permanecerá. Veja a seguir:

“Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá.” Mateus 12:25

Em um post de seu blog, o Bispo Edir Macedo pontuou que divisões apontam para um grande egoísmo.

“A divisão ou o partidarismo dentro das denominações evangélicas aponta egoísmo e servos de si mesmos. Como o Espírito Santo pode inspirar pessoas em meio à desunião, desordem e confusão? Ele não é Deus de confusão”, disse o Bispo, em sua publicação.

O Bispo, ainda, esclareceu que no Reino de Deus deve haver, sobretudo, união. “Pois, assim como o Deus-Pai, Deus-Filho e o Deus-Espírito Santo são Um, também os cristãos têm de ser. Do contrário, não pertencem ao Senhor Jesus Cristo”, completou o Bispo.

O apóstolo Paulo também alertou que Deus não é de confusão, mas de paz. Veja:

“Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.” 1 Coríntios 14:33

Todo movimento que surge baseado nos princípios da desordem não deve ser considerado. Seu propósito visa mais atrapalhar do que ajudar. Portanto, fique atento a esses que aparecem, diariamente, principalmente aqueles que têm por missão a divisão.