Cientistas apontam que a vida passa como um filme na mente, na hora da morte

Equipe monitorou, acidentalmente, o cérebro de uma pessoa no momento do falecimento. Saiba mais

Por Redação 07/11/2022 - 18:54 hs
Foto: Rawpixel/ Freepik

Um estudo publicado na revista científica “Frontiers in Aging Neuroscience”, em fevereiro deste ano, mostrou que, realmente, a vida passa como um filme nos momentos finais de uma pessoa neste mundo.

Um paciente de 87 anos, que tinha um quadro de epilepsia, estava sendo monitorado por um grupo de pesquisadores, por meio de eletroencefalografia contínua (EEG), utilizada para detectar convulsões e outros comportamentos do cérebro. Entretanto, o paciente passou por um ataque cardíaco no meio do processo e faleceu. E essa foi a primeira vez que se obteve registros da atividade do cérebro no momento da morte. 

Assim, o equipamento mostrou que nos últimos 30 segundos antes do ataque cardíaco e nos 30 segundos posteriores à morte do paciente, ondas similares às dos estágios de sonho e de memórias foram identificadas. Um dos participantes da pesquisa, o neurocirurgião Ajmal Zemmar, explicou que os sinais indicam que possivelmente o cérebro estava reproduzindo um “filme” na mente do paciente. Eles perceberam oscilações neurais do tipo gama (que tem funções cognitivas como memória, sonho e concentração). Mas, havia também uma alta atividade cerebral, que foi percebida também nas oscilações delta, teta, alfa e beta. Os dados são de 2016.

Ajmal considera que há algo de “místico” e “espiritual” nisso tudo. Igualmente, ele acrescenta que gostaria de ver mais casos para poder comparar a experiência.